A importância das refeições em família

Catarina Rola
Nutricionista
A Sua Saúde Sempre

Aprender a oferecer às crianças a experiência de refeição em família e a reverência por bem comer é fundamental para desenvolver um relacionamento saudável com os alimentos para toda a vida. É necessário reiniciar a nossa memória sobre a comida e passar tempo juntos à volta da mesa.

Com a alta prevalência de doenças não transmissíveis da região e a diminuição do tempo alocado para atividades físicas, juntamente com a forte dependência aos ecrãs, torna-se crucial educar as novas gerações sobre saúde e nutrição.

Sabia que os adolescentes que comem frequentemente com a família, têm metade da probabilidade de fumar ou consumir drogas do que aqueles que raramente jantam em família?

Enquanto família (de sangue ou não), procure enfatizar a inclusão e a participação dos miúdos, para que a tarefa diária de preparar as refeições se assemelhe mais a um ritual. Do planeamento à lista de compras, da ida ao mercado à preparação das refeições, há pequenas tarefas que os miúdos podem reivindicar para si para se sentirem envolvidos. Quanto mais estiverem no comando de algo, seja a escolher maçãs no mercado ou a mexer a sopa, mais eles desenvolvem confiança e autossuficiência na cozinha, e no grupo. Permita que cada um se sirva, tal como queira. Para os miúdos, este é um ótimo trabalho de destreza e coordenação. Não se stresse com a confusão. São crianças, faz parte. Demonstre antes que a hora da refeição é um momento de conexão – pergunte sobre o seu dia, interesse-se sobre a sua opinião e, sobretudo, valorize a sua presença. Mostre-lhes que comer pode ser uma experiência tranquila e agradável. Além de nutrir o nosso corpo que nos permite ser quem somos e repor a energia para as nossas atividades, é também uma excelente oportunidade de reencontro. Crie algumas pausas entre as garfadas, faça contato visual, respire serenamente e sorria. Discuta sabores e cores. Ajuda as crianças a entender a diversidade de opções alimentares, combinações saudáveis e a distinção de sabores de cada refeição. Converse sobre as origens dos alimentos que estão a apreciar. Discutir de onde vem o alimento, pode ser uma transição natural para tópicos mais elaborados de comunidade, economia, ciclos de vida das plantas, ritmos da natureza, estações do ano e como todos fazemos parte de um todo maior. Seja grato, pelas refeições que são capazes de preparar, cozinhar e desfrutar juntos para vincular o ato de comer a um sentimento positivo durante a hora da refeição, permitindo assim, nutrir uma relação saudável com a comida.

Quando o amor está no centro da nossa necessidade de nutrir as nossas famílias, as opções rápidas e os substitutos comprados na loja tornam-se de segunda categoria em relação às refeições deliciosas que podemos criar com as nossas próprias mãos. No final do dia, o que importa é a experiência vivida na hora da refeição. Tal como os pratos caseiros são essenciais à saúde, cultivar um ambiente calmo e positivo, não só fortalece os laços afetivos, como também, uma relação consciente com a alimentação.

Artigo de opinião publicado na edição impressa de julho de 2021

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário