Bandeira pela prevenção dos maus tratos na infância hasteada na Lagoa

© CML

A Câmara Municipal de Lagoa hasteou, esta manhã, nos Paços do Concelho, a bandeira pela prevenção dos maus tratos na infância. A cerimónia contou com a presença da presidente da Câmara Municipal de Lagoa, Cristina Calisto e da presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Lagoa, Vera Libório.

Em nota enviada às redações, a autarquia salienta que «não ficou indiferente à comemoração do “Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na infância”, que decorre durante todo o mês de abril, numa campanha desenvolvida a nível nacional com o tema “Serei o que me deres… que seja amor”»

A iniciativa, organizada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Lagoa, conta com a colaboração da autarquia lagoense e pretende promover a consciencialização da comunidade para a importância da prevenção dos maus-tratos na infância e juventude, das famílias para o exercício de uma parentalidade positiva, sem recurso à violência verbal ou física e das crianças/jovens para a compreensão dos seus direitos.

Na ocasião, Cristina Calisto revelou que gostaria que “não fosse preciso lembrar esta data, mas infelizmente continuam-se a manter comportamentos prejudiciais às nossas crianças. Protegê-las é o nosso dever e a CPCJ da Lagoa tem feito um excelente trabalho nesse sentido. Tem sido incansável na proteção de direitos como o respeito, a dignidade humana e a defesa das fragilidades das crianças”.

A presidente da CPCJ de Lagoa, Vera Libório, agradeceu a toda a sua equipa e lembrou que “este não é um trabalho feito com frieza. Há muito amor envolvido. Às vezes as decisões mais difíceis são fruto de um gesto de amor, proteção e bem-estar para com as crianças. O nosso trabalho nunca parou, nem com a pandemia. O nosso papel é responder a todas as intervenções para que somos solicitadas. O hastear desta bandeira representa a história do laço azul e do amor pelas crianças”.

Durante o mês de abril, para assinalar esta campanha o edifício dos Paços do Concelho, a Praça Nossa Senhora do Graça e o edifício da CPCJ estarão iluminados a azul.

A CPCJ de Lagoa lançou, esta semana, o seu hino alusivo aos direitos das crianças, com a colaboração de jovens da Escola Básica Integrada de Lagoa e da professora Alda Casqueira.

A história do laço azul surgiu em 1989, na Virgínia (EUA), quando uma atenta e preocupada avó, amarrou uma fita azul à antena do seu carro, como constante lembrança da trágica história de maus-tratos dos seus dois netos. Assim, esta campanha, que começou como uma homenagem desta avó aos netos, expandiu-se e, atualmente, muitos países usam as fitas azuis, durante o mês de abril, em memória daqueles que morreram ou são vítimas de abuso infantil e, simultaneamente, como forma de apoiar as famílias e fortalecer as comunidades, nos esforços necessários para prevenir o abuso infantil e a negligência.

DL

Categorias: Local

Deixe o seu comentário