Centro Cultural da Caloura recebe a exposição “A Caloura através do desenho” até dia 13 de julho

Expo_CentroCaloura1

Está patente ao público, no Castelo Centro Cultural, na Caloura, a exposição de desenhos em diário gráfico, intitulada “A Caloura através do Desenho”.

Trata-se de uma exposição organizada pelos Urban Sketchers Açores, em parceria com a Associação Histórias Sábias – Património Cultural, Artístico e Arqueológico, que assim apresentam os seus trabalhos, como forma de assinalar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, sendo que também promoveram uma visita guiada pela Caloura.

Segundo Sofia Botelho, em declarações ao nosso jornal, este ano, o dia Internacional de Monumentos e Sítios, teve como tema “Monumentos e Sítios: Conhecer, Explorar, Partilhar”. Como forma de assinalar esta data, a HS – Histórias Sábias-Património Cultural, Artístico e Arqueológico, associou-se ao grupo Urban Sketchers Açores para promover uma visita guiada por alguns pontos de interesse histórico e cultural da Caloura, nomeadamente o Porto da Caloura, a Ermida e Convento da Caloura, O Castelo Centro Cultural e a Ermida de S. Pedro Gonçalo Telmo.

Os “Urban Sketchers Açores” são um movimento internacional, nascido nos Estados Unidos em 2007, sendo há vários grupos USk por todo o mundo, organizados por países ou cidades. Cada grupo é composto por várias pessoas de várias idades e das mais diferentes áreas profissionais – não necessariamente artística – mas com um propósito em comum: registar o mundo que os rodeia através do Desenho, servindo assim o último ponto do Manifesto dos USk: “mostrar o mundo, um desenho de cada vez”.

Portugal tem um grupo ao qual pertencem três subgrupos regionais, inclusivamente o regional, Urban Sketchers Açores, que nasceu em março de 2014, num evento que contou com a presença de Eduardo Salavisa, Mário Linhares e Ketta Linhares em três dias de workshops, conversas e o primeiro encontro do grupo. Desde então têm promovido vários Encontros em vários pontos da ilha de S. Miguel.

Esta é mais uma das várias exposições que o Centro Cultural da Caloura recebe, mas uma coisa todas elas têm em comum, a qualidade.

Segundo Tomaz Borba de Vieira, trata-se de uma exposição especial, concebida por desenhos de não profissionais, mas sim de gente jovem, algo que tem a ver com o rumo que está a tomar a educação relativamente ao desenho.

Diz Tomaz Borba Vieira, “assim como se exige que toda a gente saiba escrever, expressar a palavra, é bom exigir que se saiba exprimir pelo desenho”.

No entender do professor, a arte era feita apenas por quem decidia ser artista, agora é de um âmbito maior.

Em declarações ao nosso jornal, refere que todos nós poderemos ser artistas, ou seja, “a criatividade é um dos recursos únicos do ser humano, e que o distingue dos restantes animais, portanto quem quiser pode usar a criatividade e dedicar-se à criação de formas ou palavras”.

Considera Tomaz Borba Vieira que na cultura começa a fermentar um sentimento novo relativamente a estar coisas, uma questão certamente tem a ver com o desenvolvimento cultural.

Os desenhos realizados em diário gráfico, no âmbito desta visita, estarão em exposição no Castelo Centro Cultural até dia 13 de junho, de segunda a sábado, das 10h30 às 12h30 e das 13h30 às 17h30.

DL

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário