Escolas com mais tempo de ensino à distância vão ter plano diferenciado

© SRE

O Governo dos Açores vai implementar uma “diferenciação positiva” para as escolas que permaneceram mais tempo com ensino à distância, devido à pandemia de covid-19, para que sejam recuperados os planos de aprendizagem, anunciou hoje a secretária da Educação.

“Faremos uma diferenciação positiva para estas escolas, e em especial para Rabo de Peixe, no que concerne à alocação de recursos por terem sido as escolas numa situação mais prejudicial, de mais tempo com ensino à distância”, afirmou a secretária Regional da Educação, Sofia Ribeiro, em declarações aos jornalistas.

A titular da pasta da Educação nos Açores reuniu-se ontem com o Conselho Executivo da EBI de Rabo de Peixe, no concelho da Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, vila que tem registado o maior número de casos de covid-19 no arquipélago.

Sofia Ribeiro lembrou que a escola de Rabo de Peixe “foi o estabelecimento de ensino que mais tempo teve em ensino à distância”, devido à pandemia de covid-19.

“Em oito das nove ilhas praticamente não houve ensino à distância, com situações muito pontuais, ao contrário da ilha de São Miguel, onde foram mais os concelhos de Ribeira Grande e Vila Franca do Campo, em que a situação foi mais complicada”, referiu.

Por isso, acrescentou, são necessárias “medidas diferenciadas”.

Assim, no caso das escolas de Vila Franca do Campo e Ribeira Grande, o objetivo é colocar em prática já nas férias de verão, “um plano” onde se possa “orientar as tarefas e os trabalhos lúdicos” dos alunos para “as necessidades reais dos estudantes”, quer seja ao nível emocional, como ao nível de integração social, complementadas com o domínio da leitura e da escrita, de acordo com as estratégias definidas pelos professores.

Esse plano, segundo explicou a secretária regional, “será feito em articulação com os centros de atividades de tempos livres [ATL] e com as câmaras municipais”.

“Além das medidas que já anunciámos para apoio às aprendizagens a nível regional, nestes dois concelhos [Vila Franca do Campo e Ribeira Grande] vamos implementar medidas de recuperação das aprendizagens em articulação com as escolas”, sublinhou Sofia Ribeiro, lembrando que existiu “em Rabo de Peixe, ao longo deste ano, um programa diferenciado para apoio aos alunos do primeiro ciclo”, medida que “vai continuar”.

Além disso, haverá situações em que vai ser privilegiado “o trabalho de apoio nas salas de aula, em especial no primeiro ciclo”, ao nível da matemática e do português, reforçando os domínios da leitura e da escrita.

“A realidade da EBI de Rabo de Peixe não é a mesma realidade da EBI da Maia, ou da EBI da Ribeira Grande ou da Básica e Secundária de Vila Franca do Campo. Cada escola tem as suas especificidades de acordo com a própria população e o contexto em que ela se insere. E são as escolas que melhor conhecem o seu ambiente, os seus recursos e estão em melhores condições para fazerem propostas de constituição de programas pedagógicos”, sustentou.

Sofia Ribeiro lembrou, no entanto, que as medidas a implementar dependem muito da evolução pandémica e reforçou o alerta para os cuidados que a população deve ter na prevenção da covid-19.

Questionada sobre a situação atual nas escolas da ilha de São Miguel, ilha que concentra atualmente maior número de casos de covid-19, a governante explicou que “a evolução de risco é feita pela Saúde e depois reportada à Educação”, uma avaliação que “é feita todas as semanas”.

O arquipélago conta com 264 casos ativos de covid-19, sendo 257 em São Miguel, três na Terceira, dois no Pico, um no Faial e um em São Jorge.

Lusa/ DL

Categorias: Educação

Deixe o seu comentário