Festival Maré de Agosto decorre até 30 de agosto em Santa Maria

© DL

A 37.ª edição do festival Maré de Agosto começou no dia 6 e vai decorrer até 30 de agosto, em Santa Maria, Açores, contando com várias intervenções culturais, incluindo concertos de Manuel Cruz e Miramar.

Em declarações à agência Lusa, Pepe Brix, um dos organizadores, adiantou que a Associação Cultural Maré de Agosto decidiu “alargar” o período do festival para evitar a concentração de pessoas, devido à pandemia de covid-19.

“Este ano o festival Maré de Agosto decidiu alargar o seu período. A ideia era alargar os eventos ao longo do mês de agosto para que se evitasse um bocado grandes aglomerações de pessoas, para fazer as coisas com mais segurança”, destacou.

O festival arrancou com uma exposição de pintura do artista mariense Pedro Sousa que estará exposta na biblioteca municipal de Vila do Porto até 30 de agosto.

Estão ainda previstas pinturas de murais por parte de Tutu Sousa e Zed1 e a instalação de uma escultura dos artistas Bordalo II e Iron Art.

“Neste preciso momento está o Bordalo II a fazer a instalação de uma escultura no centro da vila numa obra dedicada à estrelinha de Santa Maria, uma ave endémica aqui de Santa Maria”, referiu o organizador.

Durante o festival, vão decorrer quatro concertos: em 26 de agosto de Manuel Cruz, em 20 de agosto de Miramar, em 24 de Engengroaldenga e dia 28 de Karyna Gomes.

Apesar de realçar que as exposições de pintura e fotografia “sempre tiveram na génese” do festival conhecido pela vertente musical, Pepe Brix afirmou que a Maré de Agosto tem “espaço para estender os tentáculos e alargar o seu período e as áreas de intervenção cultural”.

“É muito provável que cada vez mais o festival Maré de Agosto se estenda para várias áreas e, eventualmente, por mais tempo, nunca deixando o seu formato principal que são aqueles três, quatro dias de festival na praia formosa”, apontou.

O organizador disse ainda ser necessário criar uma “maior interação” entre os artistas e o público do festival.

“Achamos que o festival precisa cada vez mais de procurar e de ser mais consequente culturalmente quando falamos de uma intervenção cultural junto da comunidade local”, assinalou.

Na edição anterior, a Maré de Agosto decorreu em formato ‘online’, com conversas e concertos com nomes como a mariense Isabel Mesquita e Julian Marley.

Lusa/ DL

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário