GP Azores prestes a receber a edição mais internacional de sempre

É já esta semana que arranca a edição mais internacional de sempre do GP Azores/Volta a São Miguel. A prova irá disputar-se entre os dias 6 e 8 de maio num total de três etapas

© CMPD

Decorreu esta terça-feira, 3 de maio, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, a conferência de imprensa de apresentação da prova internacional de ciclismo GP Azores/Volta a São Miguel. Trata‐se  da  maior e mais importante competição anual  da  Associação  de  Ciclismo  dos  Açores,  que  este  ano  reúne  o pelotão nacional dos jovens sub‐23, a que se juntam algumas equipas regionais, nacionais e  internacionais.

Na ocasião, o vice-presidente da autarquia de Ponta Delgada, Pedro Furtado, que detém o pelouro do Desporto, defendeu a importância do forte investimento que é feito nesta prova, quer por parte das autarquias, quer por parte de muitas empresas privadas.

Além de deixar um elogio à resiliência e capacidade de organização da Associação de Ciclismo dos Açores, Pedro Furtado reconheceu o mérito da ACA ao reunir o apoio de todas as Câmaras Municipais de São Miguel nesta que “é uma importante prova desportiva para os Açores, que reúne, além dos ciclistas, os acompanhantes, trazendo centenas de pessoas à nossa ilha, o que também contribui para o nosso turismo”.

“É um orgulho para a Câmara Municipal de Ponta Delgada continuar a apoiar esta prova internacional que leva o ciclismo à porta das pessoas e passa por praticamente todas as freguesias da nossa ilha, promovendo São Miguel não apenas em termos desportivos, como também ao nível do turismo” – acentuou.

Para o autarca, “o apoio público a provas de cariz desportivo que promovem a nossa terra, a nossa gente e o nosso desenvolvimento económico é uma obrigação e continuaremos a fazê-lo. No entanto, quero aqui deixar uma palavra de apreço às muitas empresas privadas que continuam, não obstante a crise por que passam, devido à pandemia e a uma guerra injusta, a apoiar esta importante prova internacional”.

A edição de 2022 do GP Azores irá contar com 86 ciclistas, distribuídos por 14 equipas que durante três dias irão percorrer a ilha de São Miguel. Esta será a edição mais internacional de sempre da corrida açoriana, já que contará com três equipas espanholas, a Brocar Ale, a Essax e a Globalia/Zamora Enamora, e uma equipa italiana, a A.S.D Aries Cycling.

Além destas quatro equipas estrangeiras, vão ainda marcar presença oito equipas portuguesas, entre elas, L.A Alumínios/Credibom/MarcosCarACDC Trofa, Alenquer/G.D.M/Sobralcar, Almodôvar/Delta Cafés/Crédito Agrícola, JV Perfis Windmob, Santa Maria da Feira/Segmento d’Época/Reol, Fortunna/Maia/Escribano Sports Team e Porminho Team sub-23. A juntarem-se a estas oito equipas portugueses estarão ainda em competição duas equipas açorianas, a AFA/Promotora, e a seleção Açores de sub-23.

O pelotão de ciclistas terá de enfrentar três etapas, num total de 378 quilómetros. A primeira, que irá decorrer no dia 6 de maio, ligará Ponta Delgada a Nordeste, num percurso de 111 quilómetros. Nesta etapa, os corredores irão enfrentar duas contagens de segunda categoria, a primeira no Cerrado dos Bezerros, uma subida de 7,2 quilómetros com 5,5% de inclinação, ao quilómetro 47, e a segunda, nas Pedras do Galego, com 3,7 quilómetros de extensão e 7,9% de inclinação, ao quilómetro 61.

A segunda etapa, que será também a mais longa, levará os corredores por um percurso de 140 quilómetros de Nordeste até à Ribeira Grande. Esta será a etapa mais plana da competição, apesar de contar com uma subida de primeira categoria, na Lagoa do Canário. Está estará presente ao quilómetro 71, altura em que os atletas terão de enfrentar uma subida de 10,8 quilómetros, com 5,9% de inclinação.

O sucessor de Pedro Miguel Lopes, vencedor da prova no ano passado, será coroado no alto da Lagoa do Fogo, local onde terminará a terceira e última etapa da competição. Esta, considerada a etapa rainha, terá cinco prémio de montanha, distribuídos ao longo de 127 quilómetros, que irão levar os corredores da Ribeira Grande até à Lagoa do Fogo.

Serão três prémios de montanha de terceira categoria, um ao quilómetro 15, em São Vicente, com 3 quilómetros e 5,7% de inclinação, o segundo ao quilómetro 94, nas Furnas, com 3 quilómetros e 5,8 de inclinação, e o terceiro, ao quilómetro 112, em Pisão, com 1,5 quilómetros e 9,9% de inclinação. Pelo meio haverá ainda um prémio de montanha de primeira categoria, no Salto do Cavalo, ao quilómetro 73, com 10,2 quilómetros e 6,0 de inclinação, sendo que a meta irá coincidir com a segunda contagem de montanha de primeira categoria, precisamente na Lagoa do Fogo. Esta terá uma extensão de 8,4 quilómetros, com uma percentagem média de inclinação de 9,5%.

DL

Categorias: Desporto

Deixe o seu comentário