Mais de 200 professores colocados nos quadros dos Açores

© MM

Mais de 200 professores conseguiram este ano colocação nos quadros da Região Autónoma dos Açores “após 10 anos de serviço”, revelou esta quarta-feira, 14 de julho, a secretária Regional da Educação no plenário da Assembleia Legislativa, a decorrer na Horta.

Citada numa nota de imprensa divulgada pelo Governo regional, Sofia Ribeiro indicou que “80% dos professores colocados estavam há mais de 10 anos à espera para terem um vínculo com estabilidade”.

A informação foi dada no âmbito da discussão de uma proposta do PSD, CDS-PP e PPM para a criação de um regime de concessão de bolsa de estudos para a frequência de mestrado na área da formação de professores, refere a nota de imprensa.

Quanto à aposta na Universidade dos Açores, a governante recordou que o orçamento do Governo regional, de coligação PSD/CDS-PP/PPM, contempla, para este ano, uma verba de 75 mil euros para a criação de cada mestrado nas áreas mais carenciadas.

Sofia Ribeiro lembrou que, a nível do ensino secundário, os grupos “de inglês, de matemática, de físico-química, de biologia e geologia e de informática” são os mais carenciados.

A titular da pasta da Educação ressalvou que o âmbito da proposta de criação de bolsas para mestrado “não é de apenas conferir habilitação aos jovens açorianos”, mas “fazer com que um jovem queira enveredar por um curso via ensino”.

Para a secretária regional, “esta medida tem de ser acompanhada de outras que dignifiquem e valorizem a profissão docente”.

Sofia Ribeiro indicou a autonomia dos professores, o excessivo trabalho burocrático existente nas suas funções, os direitos laborais e o combate à precariedade da profissão.

De acordo com a responsável, em apenas um ano “foram lançadas mais 30% das vagas que o Governo socialista tinha lançado em oito anos”.

Segundo a secretária da Educação, já foram lançados o concurso para afetação e o concurso para a contratação de professores para o próximo ano letivo, que vão “mais do que duplicar o número de professores de apoio nas escolas”.

Sofia Ribeiro acrescentou a importância da altura do lançamento do concurso “para evitar a fuga de professores à posteriori”.

“Ao lançarmos estas vagas agora estamos a criar condições para que os professores fiquem colocados na nossa região e para que não fujam para outros territórios nacionais”, reforçou.

Após a análise do presente ano letivo, vai ser feita “a aferição, com o Conselho Coordenador do Sistema Educativo Regional, das necessidades quanto à fixação dos professores”, disse.

Lusa/ DL

Categorias: Educação

Deixe o seu comentário