Missas nos Açores permanecem com cumprimento de regras sanitárias

© DL

A Diocese de Angra decidiu esta quinta-feira, 21 de janeiro, manter as missas com a presença de fiéis nos Açores, por considerar que a situação da pandemia da covid-19 no arquipélago é diferente da que se verifica no continente português.

Segundo o bispo de Angra, citado em declarações publicadas no portal Igreja Açores, ao contrário do que foi decidido pela Conferência Episcopal Portugal (CEP) para o território continental, na região serão mantidas as missas presenciais, com o cumprimento das regras sanitárias articuladas com as autoridades de saúde regionais.

“Este vai ser o procedimento que vamos continuar a adotar. Sempre que houver uma alteração da situação epidemiológica, que nos obrigue a tomar outra decisão, competirá a quem está no terreno agir de imediato, como sempre temos feito”, referiu D. João Lavrador.

A CEP anunciou esta quinta-feira a suspensão das missas, a partir de sábado, bem como catequeses e outras atividades pastorais que impliquem contacto, face à situação pandémica que o país está a viver.

“Tendo consciência da extrema gravidade da situação pandémica que estamos a viver no nosso país, consideramos que é um imperativo moral para todos os cidadãos, e particularmente para os cristãos, ter o máximo de precauções sanitárias para evitar contágios, contribuindo para ultrapassar esta situação”, refere a CEP em comunicado, ao adiantar que as dioceses das regiões autónomas dos Açores e da Madeira darão orientações próprias.

A diocese açoriana, que está em “contacto permanente” com a autoridade de saúde regional, adiantou que a decisão teve por base a situação epidemiológica nos Açores que é “diferente da do continente e que, mesmo internamente, varia de ilha para ilha”.

D. João Lavrador adiantou ainda que as celebrações religiosas estão suspensas nas ouvidorias açorianas onde a situação da covid-19 é mais grave.

Até ao próximo sábado estão suspensas todas as celebrações religiosas nas ouvidorias de Vila Franca do Campo e na Ribeira Grande, na ilha de São Miguel, com exceção das missas e de funerais.

Lusa / DL

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário