Mostra expositiva sobre a Fábrica do Álcool da Lagoa patente no Passeio Marítimo da cidade

© CML

O Museu de Lagoa-Açores disponibiliza, desde o dia 30 de novembro, uma mostra expositiva intitulada “Fábrica do Álcool da Lagoa – memórias de uma indústria e de um lugar”, patente no extremo nascente do Passeio Marítimo da cidade de Lagoa, mais precisamente próximo ao Portinho de São Pedro.

A mostra, disponibilizada ao público no Dia das Cidades Educadoras, segundo a autarquia lagoense, “pretende dar a divulgar, numa ótica pedagógica, elementos da cidade de Lagoa, fazendo uso de uma das premissas do conceito das Cidades Educadoras, nomeadamente aprender na cidade e aprender a cidade”.

De acordo com nota de imprensa enviada às redações pela Câmara da Lagoa, a iniciativa visa valorizar o património industrial local, neste caso, uma indústria que iniciou a sua laboração no final do século XIX e que teve uma importância fulcral na vida económica, cultural e social da comunidade local.

“Nos dez painéis expostos, o texto resulta de uma investigação, que teve, igualmente, em conta fontes orais e registos fotográficos da SINAGA, em depósito na Biblioteca Municipal Tomaz Borba Vieira”, é dito em comunicado.

A Fábrica do Álcool fundada em 1882, junto ao Portinho de São Pedro, foi a primeira a surgir na ilha de São Miguel e a segunda no arquipélago dos Açores. Na ocasião, foi contratada uma equipa de técnicos alemães e a maquinaria foi transportada por um navio alemão, sendo que a unidade fabril ficou a funcionar no dia 15 de outubro de 1882.

A maioria das máquinas e equipamentos eram albergados no edifício da carismática e simbólica chaminé e na torre de destilação, sendo estes espaços os que ocupavam uma maior área, derivado ao processo de transformação e à quantidade de álcool produzido.

A Fábrica do Álcool da Lagoa chegou a empregar 190 operários, durante o ano, sendo que no período de laboração o número ascendia a 240, tendo sido a maioria dos funcionários oriundos da Lagoa.

O Clube Operário Desportivo foi fundado por esta unidade fabril, que se destinava, na altura, unicamente aos seus funcionários, já que a Fábrica do Álcool proporcionava aos seus colaboradores atividades paralelas que lhes permitiam fazer uma pausa no trabalho diário.

DL

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário