Museu acolhe espólio e estuda preservação de património de antiga açucareira dos Açores

© D.R.

Centenas de objetos da extinta açucareira SINAGA, nos Açores, foram acolhidos no Museu Carlos Machado, em Ponta Delgada, e os técnicos estão a estudar a preservação do património industrial difícil de transportar devido à dimensão, foi hoje divulgado.

Numa visita às instalações da empresa, detida em 51% pelo Governo regional açoriano desde 2010 e que o atual executivo PSD/CDS-PP/PPM decidiu extinguir, João Paulo Constância, diretor do Museu Carlos Machado, esclareceu que este acolhe já “parte do acervo da fábrica”, essencialmente “todo o património móvel que era possível” transportar.

Para além disso, os técnicos estão também a estudar “o que é possível fazer ao património integrado” na unidade industrial, ou seja, ao património que não é móvel, por ser “muito grande” e de “difícil” transporte.

André Bonança, atual administrador da empresa, disse ainda à Lusa ser “completamente falso” que exista um “desmantelamento a ritmo acelerado” da antiga açucareira que concluiu a sua produção em 2017, nomeadamente na unidade instalada em 55 mil metros quadrados com entrada pela rua de Lisboa, em Ponta Delgada.

De acordo com o responsável, a retirada de objetos daquela unidade que transformava beterraba em açúcar tem sido feita “progressivamente desde 2018”, diz sobretudo respeito a tanques e deveu-se ao “risco de ruína”.

Por agora, ainda lá estão o laboratório da beterraba “absolutamente intacto”, duas caldeiras, cinco cristalizadores onde se geravam os cristais de açúcar, as máquinas que funcionavam como centrifugadoras para tirar o suco do açúcar, ou os secadores, para onde a produção seguia antes de ir para o embalamento.

Também continua nas instalações o forno de cal que cozia a “800 ou 900 graus”, sempre “o primeiro equipamento a ser ligado, dois dias antes da chegada da beterraba”, e o “último a ser desligado”, que chegou a “incomodar os vizinhos” pois trabalhava 24 horas por dia e, de 15 em 15 minutos, recebia um carregamento de pedra de cal, descreveu o administrador.

“Estamos sempre a monitorizar. Quando identificamos risco, desmantelamos”, observou, apontando o exemplo equipamento de cozedura da beterraba, que estava “suspenso” e “apoiado em traves a apodrecer”, pelo que foi viu os apoios cortados para ser retirado, devido ao “risco de abater”.

O responsável observou que a fábrica estava sujeita a muito vapor, pelo que as madeiras e os alumínios se foram deteriorando.

De acordo com a página da Internet da Câmara de Ponta Delgada, a Fábrica do Açúcar foi instalada naquele local em 1906, sendo comprada pela SINAGA em 1969.

Quanto à “Coleção SINAGA” que já integra o Museu Carlos Machado, de acordo com o inventário da Secretaria Regional de Cultura, a que a Lusa teve acesso, é composto por centenas de objetos, desde máquinas de produção a balanças a fotografias, passando por pacotes e sacos para açúcar ou bombas a vapor de alimentação de água.

João Paulo Constância explicou que está atualmente em curso a “triagem, higienização e estudo” das peças, tendo em vista a informação e valorização patrimonial.

“Parte do acervo que existia na fábrica já deu entrada no museu [Carlos Machado]. Tem estado a ser estudado e a fazer-se o arrolamento desses bens. Muito desse espólio estava num pequeno núcleo museológico que a fábrica tinha”, indicou.

Na fase já concluída, “levou-se todo o património móvel que era possível”.

“Requer, para ser valorizado, o seu estudo, o que leva tempo. Para essa investigação vamos convidar até outros especialistas para contextualizar e começar a contar a história desta unidade fabril”, revelou.

Quanto aos objetos maiores, “está em estudo qual o melhor destino” a dar-lhe, num “esforço de perceber o que ainda é possível fazer para salvaguardar esta memória”.

O deputado da Iniciativa Liberal no parlamento dos Açores exigiu na sexta-feira ao Governo “medidas imediatas” para travar a “desmontagem e remoção de equipamentos” na unidade da rua de Lisboa da extinta açucareira SINAGA, recomendando a criação de um museu da indústria regional.

A extinção da antiga açucareira, na qual o Governo regional tinha uma participação de 51% desde 2010, e a integração dos seus 51 trabalhadores na administração pública regional foram aprovadas a 28 de setembro na Assembleia Regional.

A proposta contou com 21 votos a favor do PSD, três do CDS-PP, dois do PPM, um da IL, um do Chega e um do deputado independente Carlos Furtado, e com dois votos contra do BE e 25 abstenções do PS.

Lusa/ DL

Categorias: Cultura

Deixe o seu comentário