Operário já prepara nova época desportiva

A equipa sénior do Clube Operário Desportivo já prepara nova época desportiva 2018-2019. André Branquinho iniciou a sua sétima temporada à frente da equipa técnica dos fabris, depois de ter pegado na equipa na época 2012/2013, substituindo na altura Francisco Agatão, quando a equipa estava no campeonato nacional.

Esta será contudo a esteira do técnico no Campeonato dos Açores, competição à qual o clube da Lagoa foi despromovido na última época.

A equipa da Lagoa conta com Pedro Taborda, coordenador técnico do Clube Operário Desportivo, dando continuidade ao trabalho que já vinha desenvolvendo em conjunto com a direção de preparação da nova época.

Pedro Taborda, de 37 anos, trabalhou na última época no Leixões onde desempenhou idênticas funções. Foi também coordenador técnico do Almancilense, Pedras Salgadas, Oliveira do Hospital, Vianense e nos juvenis do Boavista. Foi observador na Naval e trabalhou nos sub-13 do Águas Santas e nos juniores e iniciados do Oliveira do Douro.

André Branquinho, ao Jornal Diário da Lagoa, destacou o que diz ser uma resposta muito positiva por parte dos atletas. Um plantel ainda em construção, uma vez que faltam preencher algumas posições.

Até agora está satisfeito com os atletas, com um ótimo compromisso, e não sabendo o desfecho desportivo da época, estes já merecem os parabéns, porque abraçaram um projeto muito particular, “vieram para o clube numa fase difícil da instituição, mas abraçaram e até agora tem tido um compromisso muito grande”, realçou.

Segundo destacou o técnico, “a nível financeiro abraçaram um projeto diferente daquilo que é habitual no país, e na historia do Operário, sendo um trabalho mais por objetivos do que pelo salário mensal, e isto revela o compromisso e a entrega que os atletas estão a ter e a vontade de ajudar o clube”. André Branquinho espera que os jogadores possam ter o apoio dos adeptos ao longo da época.

Quanto à competição em si, ao longo da época “há que ser realista”, sabendo que é uma equipa completamente nova, com uma média de idades muito baixa, “vamos elaborando objetivos semanais, não colocando metas para atingir, vendo a evolução da equipa”.

O técnico está ciente que existem jogadores de qualidade, mas isto por si só não equivale em vitórias, há que transformar a qualidade individual num valor coletivo muito forte. “Vamos enfrentar equipas fortes nesta competição e estou consciente que o Operário será um alvo a abater”.

Considera o treinador que o coletivo tem de ser muito superior às individualidades e é aquilo que se pretende transformar nestas semanas de preparação.

Segundo adiantou, um jogador que abraça um projeto desta natureza, sem salário fixo, a trabalhar apenas por objetivos, é sinal da sua grande vontade de aparecer, de afirmar-se no futebol, por isso é que diz que estes jogadores já merecem os parabéns pela decisão que tomaram.

André Branquinho recorda que por vezes as pessoas falam muito dos jogadores de futebol, mas também diz que não acredita que na Lagoa alguém quisesse trabalhar como estes atletas aceitaram trabalhar, apenas por objetivos, por isso merecem desde já todo o respeito.

Sobre os jogadores que saíram do clube, diz não colocar em causa a decisão de cada um. “Felizmente receberam boas propostas e ficou feliz, porque revela que o trabalho que fizemos teve fatores positivos”.

Sem participar na Taça de Portugal, pela primeira vez nos últimos 26 anos, devido a dificuldades financeiras, o primeiro jogo oficial do Operário está marcado para o dia 23 de setembro, no arranque do Regional de futebol, com os lagoenses a visitarem o Vitória do Pico.

DL

Categorias: Desporto, Local

Deixe o seu comentário