Orçamento de 2,4 ME prevê captação de água e construção de mercado no Corvo

FOTO DL

A Câmara Municipal do Corvo aprovou um orçamento municipal de 2,4 milhões de euros para 2021, que prevê o investimento na captação de água para os depósitos de abastecimento e a construção de um mercado municipal.

O documento, aprovado em reunião de câmara, na semana passada, com os votos a favor do PS e a abstenção do PSD, inscreve 2,4 milhões de euros para 2021, dos quais 1,4 milhões de euros são despesa corrente, destacando-se a despesa com pessoal, que ascende aos 850 mil euros.

À Lusa, o presidente da única autarquia da ilha açoriana, José Manuel Silva, destaca a rubrica de despesas com pessoal, por ter “um peso bastante grande”, e assumir uma “função social”, uma vez que “a Câmara continua a ser o grande empregador da ilha, uma função que, tendo em conta o tecido empresarial da ilha, torna-se necessária”.

Nas grandes opções, que somam cerca de um milhão de euros, estão previstos “um projeto de captação de água das lagoas até aos depósitos de abastecimento”, uma obra de cerca de 300 mil euros, e a construção de um mercado municipal.

Sobre este último investimento, o autarca esclarece que não se trata de “um mercado municipal na sua forma tradicional, digamos assim, mas a recuperação de uma mercearia antiga, na zona do núcleo antigo, para transformação em galeria comercial, com seis espaços comerciais”.

A única câmara do país que não tem nenhuma freguesia espera, ainda, ver aprovadas duas candidaturas a fundos comunitários, para os projetos de ampliação e requalificação da reserva biológica do Corvo e “Caminhos de Memória do Corvo”, ambos candidatos ao ProRural.

O orçamento aprovado em reunião de câmara, que aguarda o debate em Assembleia Municipal, em data a definir, representa um ligeiro decréscimo em relação ao de 2020, que era de 2,7 milhões de euros.

Este é um “orçamento mais curto, porque tínhamos, no ano passado, previsto para 2020 ainda, a finalização da empreitada de repavimentação da vila, que fazia essa diferença”, explica o autarca socialista.

O que não se altera em relação ao ano passado são os impostos e taxas a aplicar no município, que mantém o IRS na taxa máxima de 5% e o IMI e a taxa de derrama nos valores mínimos permitidos.

Lusa/DL

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário