Os jovens e as dependências: que desafios na prevenção?

Ana Margarida Cordeiro
Assistente Social

Nos últimos relatórios dados a conhecer por diversas entidades acreditadas, a nível nacional e internacional, verifica-se que estes alertam para o facto de os jovens começarem a consumir cada vez mais cedo drogas e álcool. As camadas mais jovens iniciam pelos 14 anos o consumo de álcool e canábis, passando posteriormente para o consumo de cocaína. São cada vez mais os jovens a recorrerem ao tratamento de drogas pesadas e alcoolismo, bem como a ocorrência de posteriores recaídas. Para além disso, tem-se verificado um número significativo de overdoses.

Importa, então refletir, nos motivos destes aumentos nos consumos. Estes surgem não só pela associação ao grupo de pares, que quase já se pode apelidar de uma questão cultural, como sobretudo o recurso à internet e a maior oferta de mercado, tendo em conta a nossa localização geográfica e o papel do nosso país nas rotas do trafico internacional.

A importância da prevenção primária é vital, como recurso para evitar ou retardar o consumo de drogas e álcool. Esta deve ser realizada em faixas etárias entre os 10 e os 14 anos, na escola, em casa, na comunidade ou por projetos sociais de intervenção de primeira linha. O papel da escola e dos pais é sem dúvida alguma fundamental, mas enquanto sociedade, temos todos a responsabilidade de agir, prevenindo as situações de risco advindas dos consumos, pelo que cada vez mais impera a necessidade de um papel ativo da sociedade, que se deverá debruçar sobre estas questões.

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário