Os territórios insulares são exemplo de coesão para toda a Europa

Rodrigo-Oliveira-relações externas

O Subsecretário Regional da Presidência para as Relações Externas afirmou, em Bruxelas, que “os territórios insulares conhecem bem o valor e a importância da palavra coesão e aplicam este princípio transversalmente às suas políticas nas vertentes económica, social e territorial, sendo por isso um exemplo para toda a Europa”.

Rodrigo Oliveira falava na Assembleia Geral da Comissão das Ilhas da CRPM, tendo acrescentado que “é preciso afirmar com veemência a importância da política de coesão na Europa, política que infelizmente tem vindo a perder peso político no contexto da UE, para que se consiga garantir que, no futuro, esta que é – e deve continuar a ser – uma política europeia de investimento nas regiões, não seja substituída por uma série de complexos mecanismos e instrumentos financeiros, para os quais apenas os grandes centros e regiões do continente têm condições de atratividade e aplicação”.

Durante a sessão “o lugar das ilhas na política de coesão”, na qual participaram também os deputados europeus Younous Omarjee e Salvatore Cicu, bem como o Diretor Adjunto para a Política Regional da Comissão Europeia, Normunds Popens, Rodrigo Oliveira lembrou ainda importância do estatuto de região ultraperiférica e a sua diferença em relação ao estatuto de ilhas: “Se é certo que oito das nove RUP são ilhas ou arquipélagos, a verdade é que os nossos condicionalismos vão muito para além da insularidade e justificam, assim, uma atenção muito específica. Na verdade, as RUP apresentam, numa muito maior intensidade, as características conjugadas de insularidade, de isolamento e dispersão, de montanhas, zonas rurais ou de baixa densidade populacional, ao que acresce o clima e relevo difíceis, a maior vulnerabilidade a sismos, vulcões e outras catástrofes naturais, e as poucas alternativas a um número reduzido de produções tradicionais” afirmou.

São estas características estruturais e permanentes que estão definidas no artigo 349º do Tratado e que justificam “um tratamento diferenciado no âmbito da política de coesão, por exemplo ao nível da existência de um envelope adicional FEDER, da exceção que permite o acesso à cooperação transfronteiriça ou ao nível das taxas máximas de cofinanciamento europeu”.

A Comissão das Ilhas da CRPM, que agrega os governos de cerca de duas dezenas e meia de regiões insulares da Europa e representa mais de 13 milhões de cidadãos, tem por objetivo reforçar a cooperação regional entre as ilhas, o desenvolvimento de posições comuns, a troca de boas práticas, mas também trabalhar com os Estados e as instituições europeias para chamar a atenção destes níveis de poder sobre as particularidades, as dificuldades e os desafios destes territórios.

DL/GaCS

Categorias: Regional

Deixe o seu comentário