Sala de fuga leva alunos em viagem dentro dos livros da biblioteca

Crime, mistério e intrigas literárias são os principais ingredientes do novo escape game da Biblioteca Escolar de Água de Pau

Em busca de pistas no lugar do morto EBI DE ÁGUA DE PAU / DL

Os escape rooms estão a chegar timidamente ao ensino com diversificados enigmas e desafios, que enriquecem o processo educativo e o tornam mais desafiante e motivador. A Biblioteca Escolar (BE) de Água de Pau aproveitou a tendência para motivar os alunos do 2.º ciclo para a frequência e utilização do seu espaço e levá-los a descobrir “por dentro” alguns dos seus livros com a sala de fuga “Os livros que devoraram Vivaldo Bonfim e outros que me devoraram a mim”.

Com arranque no início do mês de outubro em ocasião de celebração das bibliotecas escolares, a experiência imersiva, inspirada num livro de Afonso Cruz, serviu-se do conceito de entrar num espaço apenas para dele fugir. A proposta centrou-se numa viagem pelos livros do sótão de Elias Bonfim e de seu pai, com o fito de encontrar estas personagens e de as trazer a horas para o jantar, num pano de fundo de crime e suspense.

Ninguém foi scaper sozinho e a aventura, desenhada para um trabalho de pares com respeito pelas normas de distanciamento social em vigor, proporcionou aos alunos das turmas do 5.ºA e B (GPS), do 6.º A e do 6.º B inúmeros momentos de aprendizagem e diversão. No jogo híbrido feito de ambientes digitais e cenários físicos, os alunos recolheram pistas, consultaram livros, decifraram enigmas e mensagens encriptadas e desvendaram a identidade do misterioso vilão da história, trabalhando competências como a colaboração, a resolução de problemas, a pesquisa, a comunicação e a perseverança frente a um problema ou pressão. “É uma forma diferente de aprender e de conhecer os livros, porque parece que nós também somos personagens!”, referiu uma das alunas em jogo, salientando o importante papel que a imaginação pode ter na educação e na manutenção do gosto pela aprendizagem.

A rosa do Principezinho vestida de livros da Biblioteca Escolar EBI DE ÁGUA DE PAU / DL

No fim da atividade, conseguida a recompensa por todos no misterioso chapéu, que era afinal um elefante de acordo com a pista do livro O Principezinho, vários alunos requisitaram os livros por onde “viajaram” para conhecer melhor a história e as personagens. Cumpriu-se assim o objetivo prioritário da biblioteca para este ano letivo, que é o de levar os alunos do 2.º ciclo, que se encontram numa fase preocupante no que toca ao abandono da leitura, a ler mais e melhor e a ver os livros como uma fonte de diversão e conhecimento.

A BE prevê o alargamento da iniciativa a alunos de outros ciclos, com a adaptação da história base da sala a livros do PNL adequados à idade e o melhoramento de recursos físicos e humanos, através da colaboração da turma de Teatro, que prepara já uma peça inspirada na história deste escape room. Ilesa ficará a ideia que dá forma à atividade: os livros são mundos onde podemos entrar e viver aventuras, ou, nas palavras de Afonso Cruz, “os livros encostados uns aos outros, numa prateleira, são universos paralelos!”.

Sónia Ferreira 
EBI de Água de Pau

(Artigo publicado na edição impressa da edição de dezembro de 2020)

Categorias: Educação

Deixe o seu comentário