Santa Clara mais eficaz bate Rio Ave em São Miguel

© DL

O Santa Clara venceu hoje o Rio Ave, por 1-0, nos Açores, a contar para a 32.ª jornada da I Liga de futebol, num jogo com poucos lances de perigo, em que os açorianos foram mais eficazes.

O golo que fez a diferença foi apontado por Carlos Júnior aos 52 minutos, garantindo a vitória do Santa Clara, que não vencia há cinco jogos para o campeonato.

Numa primeira parte escassa em oportunidades de golo, o Rio Ave controlou a posse de bola, trocando o esférico ao longo do terreno, mas teve sempre dificuldades em penetrar no último terço dos açorianos.

O Santa Clara, por seu turno, manteve-se na expectativa, mantendo em muitas ocasiões todos os jogadores atrás da linha da bola, procurando explorar o contra-ataque.

Face à pouca inspiração das duas equipas, os únicos lances de perigo foram obtidos através de remates de meia distância. Ambos para o Santa Clara, ambos por Allano. Os dois remates, aos 11 e 16 minutos, culminaram com defesas atentas Kieszek.

No final de uma primeira parte sem grande história, a posse de bola assinalava 60% para o Rio Ave e 40% para o Santa Clara.

Para a segunda parte, os jogadores voltaram a entrar sem grande intensidade, mas o Santa Clara iria chegar ao golo aos 52 minutos.

Remate de fora da área de Anderson Carvalho, defesa incompleta de Kieszek, e Carlos Júnior encostou para o fundo das redes contrárias. O árbitro Hugo Miguel pediu a verificação do VAR, que após vários minutos de espera, considerou o golo legal.

Estando a perder, o Rio Ave procurou balancear-se para a frente de ataque e o Santa Clara passou a explorar o contra-ataque. Foi numa transição rápida que os açorianos estiveram perto do golo aos 60 minutos, mas Allano, após ter corrido mais de metade do campo, atirou à barra.

O Rio Ave procurou forçar o golo, sobretudo através das iniciativas de Gelson Dala. O atacante do Rio Ave, aos 65 e 66 minutos, ameaçou as redes contrárias, mas ambas as tentativas foram negadas por defesas apertadas de André Ferreira.

A equipa de Miguel Cardoso assumiu o controlo da posse de bola, mas nunca teve critério, nem intensidade, para reverter o resultado. O Santa Clara procurou manter a organização defensiva e, quando podia, apostava na meia distância.

Aos 81 minutos, Anderson Carvalho obrigou o guardião ‘caxineiro’ a uma grande defesa através de um remate forte.

Lusa/ DL

Categorias: Desporto

Deixe o seu comentário