Saúde: Tiróide

Segundo a Sociedade Portuguesa de Endocrinologia as doenças da tiróide afetem mais de um milhão de portugueses. Estima-se que 4 % da população está afetada por doenças da tiróide número que aumenta em função da idade e é 10 vezes mais frequente na população feminina.

A tiróide é uma glândula endócrina, que se localiza na região anterior do pescoço, à frente da traqueia e por baixo da cartilagem cricoideia, conhecida popularmente por maçã-de-Adão.
É constituída por dois lobos, unidos no centro pelo istmo. A sua forma faz lembrar uma borboleta de asas abertas.

Tem como função produzir e libertar na circulação sanguínea duas hormonas, a tri-iodotironina (T3) e a tetraiodotironina (T4 ou tiroxina). Estas hormonas são fundamentais para o normal funcionamento do organismo uma vez que controlam a velocidade do metabolismo celular. Entenda-se por metabolismo, de grosso modo, a forma como é gasta ou armazenada a energia no organismo.

A tiroide é responsável pelo crescimento e desenvolvimento do organismo, pela regulação da temperatura corporal, frequência cardíaca e tensão arterial, pelo funcionamento dos intestinos, controlo do peso, estados de humor, e por muito mais. A sua atividade é mediada por outras hormonas.

Existem diversas doenças que podem afetar a glândula tiróide, nomeadamente hipertiroidismo, hipotiroidismo, bócio, presença de nódulos, cancro, e as doenças autoimunes, como a Doença de Graves e a tiroidite de Hashimoto, nestes últimos dois casos é o próprio organismo que “destrói” a tiróide.

Se a Tiroide funciona mal e produz hormonas em excesso vai originar hipertiroidismo se pelo contrário há carência das hormonas tiroideas desenvolver-se-á o hipotiroidismo. Por vezes a tiróide aumenta de forma anormal e desordenada dando origem a nódulos e tumores.

O hipertiroidismo acontece quando há produção excessiva de hormonas tiroideias o que faz acelerar o metabolismo provocando vários sintomas tais como: ansiedade, alterações do humor, irritabilidade, cansaço, palpitações, dificuldade respiratória, emagrecimento, aumento do apetite, intolerância ao calor, tremores, pele suada, aumento da tensão arterial sistólica, diarreia, alterações menstruais, bócio, nome que se dá ao aumento de tamanho da tiróide

É mais frequente no sexo feminino e pode ser causado por fatores genéticos, medicamentosos, autoimunes, etc.

O diagnóstico é feito, geralmente, com base em análises sanguíneas que permitem detetar a quantidade de hormonas tiroideias em circulação.

O hipertiroidismo pode ser tratado através de medicamentos anti-tiroideus, iodo radioativo ou cirurgia.

O hipotiroidismo surge quando há produção insuficiente de hormonas tiroideias o que se vai traduzir num desaceleramento do metabolismo originando sintomas tais como: como fadiga, maior sensibilidade ao frio, prisão de ventre, pele seca, aumento de peso, fraqueza muscular, dor e inchaço nas articulações, alterações menstruais e diminuição da frequência cardíaca, bem como tendência para a depressão.

As causas podem ser genéticas, autoimunes, medicamentosas, de origem alimentar, estar relacionado com uma desordem da hipófise ou com deficiência em iodo.

Quanto ao tratamento, é adequado a cada doente, fazendo-se à base de medicamentos que controlam a produção hormonal, geralmente por via oral sob a forma de comprimidos.

Tanto num caso como no outro, é importante manter uma vigilância regular dos níveis destas hormonas para ajuste das doses dos medicamentos prescritos.

Ainda não existe forma de prevenir estas doenças.

No caso de existir história familiar de doenças da tiróide, é importante uma vigilância regular, de modo a se poder fazer um diagnóstico precoce. É muito importante evitar a exposição a radiações, ao tabaco e a toxinas do meio ambiente.

O cancro também afeta a glândula tiróide e pode começar como um nódulo. Estes nódulos são como pequenas “bolsas”, sólidas ou cheias de líquido, que se formam, neste caso, na tiróide, que pode pressionar a traqueia ou o esófago e causar dificuldades na respiração ou na deglutição. Em alguns casos, os nódulos produzem T4 em excesso, o que leva a sinais e sintomas associados.

Por vezes silenciosas e originando sintomas facilmente justificáveis por outras situações da vida diária, as doenças da tiróide podem ser de diagnóstico demorado.

Aconselha-se a vigilância em saúde e estilos de vida saudáveis.

Dr. João Martins de Sousa
Delegado de Saúde de Lagoa
(Artigo publicado na edição impressa de dezembro de 2019)

Categorias: Opinião

Deixe o seu comentário